quinta-feira, 7 de julho de 2011

No arvorecer dos olhos teus




No arvorecer do olhos teus,

os delírios e vícios são meus.



No amanhecer dos braços teus,

os sorrisos e sussurros são meus e teus.



Nas alvoradas de tantos dias,

no alvoroço de abraços loucos.



Da doce vida que vamos levando

à eterna vida que imaginamos.